terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Escrava



Simplesmente pela minha boca e pela minha pele,
senti o delírio louco de tomares meu corpo,
entregue às tuas vontades, caprichos,
fazendo de mim, tua escrava.
Boca tomada por gotas de saliva,
meu corpo tremia a cada toque inesperado,
gozo infinito de prazer, que na boca veio morrer.
Exploração total ... enquanto me restou forças,
só desisti depois da exaustão.
Queria-te tanto, que já não aguentava mais,
passou a ser um tormento, de uma espera a compassos lentos,
uma ânsia de saciar o inadiável, o meu sangue ardia nas veias,
querendo sentir-te nas minhas entranhas.
Queria gritar ... até que senti os teus lábios, os meus beijar.
Lambeste os meus seios, deliciosa sensação.
Penetraste-me, invadindo, tomando posse do que é teu,
satisfazendo a minha a ansiedade de mais uma vez ... em ti ... deliciar-me!

1 comentário:

Serge disse...

adorei o texto ;)

bj doce